A Carona

Voltar

Naquele sábado, por volta de dez e meia da manhã, Renato Preto seguia, lenta e dificultosamente pela calçada, amparado por suas inseparáveis muletas. Triste e ingrata ironia do destino aquelas pernas necessitarem de auxílio. Houve um tempo em que foram ágeis instrumentos de trabalho a ensinar a tanta gente o belo jogo da capoeira e os segredos e as artimanhas do jiu-jitsu. Mestre Renato Preto ... homem de muitos e muitos amigos, na boca sempre um sorriso afável, a vida lhe sorria e ele sorria de volta...

Era um sábado tropical, ainda bem novinho, a estender-se quente e preguiçosamente diante de todos, bastava pular no estribo do imaginário bonde da alegria e deixar-se ir, por aí afora. E lá vai Renato... e aí surgiu o Alfa-Romeo. Ao volante, Dito, e ao seu lado, Dr. Bandeira, mui respeitado médico ginecologista e legista, conhecedor dos mistérios da vida e da morte, inveterado boêmio, amigos às dúzias e dúzias, bom de papo, copo imbatível. E aí então Bandeira avistou Renato, amigo de longa data, de antigas e já desbotadas esbórnias.

— Pára, Dito ! Vamos oferecer uma carona pro Renato.

Mansa e docilmente o reluzente possante prata acostou junto ao meio-fio :

— E aí, Renato !?! quer uma carona ?

A cena sucedia-se ali na Praça Porto Rocha, bem em frente aonde já foi a Agencia do Bamerindus. Renato olhou em direção à Igreja Matriz, elevou os olhos aos céus e piedosamente agradeceu :

— Obrigado.

Dito saltou agilmente e acomodou carinhosamente Renato e suas muletas no banco traseiro. O carro desceu em direção ao canal e a luminosa manhã faiscou em suas retinas. Bandeira deixou-se tragar por aquela indizível onda de prazer e bem-estar e exclamou:

— Carpe diem !!! Renato, você não está mesmo com pressa, vamos dar uma passadinha rápida lá pelo Malibu . Tóca, Dito !, vamos que eu já estou lascado de sêde .

A praia fervilhava de gente, sons e cores, daí a poucas semanas seria carnaval. De repente, Dito sentiu o volante pesado e, hábil motorista, intuiu :

— Ih !!! Já vi que tem pneu furado...

Não deu outra, o diagnóstico havia sido preciso. Encostou junto a um dos inúmeros bares da orla de modo a solucionar o problema. Abriu o porta-malas, sacou o sobressalente e deu início à aborrecida e estafante tarefa. Bandeira perguntou a Renato se queria uma cerveja, Renato pediu água, água veio e Bandeira foi-se.

Mais tarde, Dito saiu na captura de Bandeira, a essas alturas já a bordo da 3ª caipirinha e da 4ª cerveja, ou vice-versa, essa numeração não é exata e nem precisa, mas não altera em nada a conjuminância do efeito.

Dito, que também é filho de Deus, também deu lá as suas beiçadas, ora se deu. Coisa de duas horas e meia depois, estavam de volta ao flamejante veículo, já recomposto em seus rodantes, graças à perícia ímpar de Dito.

— Tóca, Dito !!! Vamos em frente ! - comandou Bandeira.

No banco traseiro, Renato, embalado pela brisa marinha, cochilava refestelado. Deu-se a volta na praia e Dito enveredou pela Av. do Valente, e aí já era então Dito o comandante daquela navegação terrestre. Ao passar defronte à sede do "Vermelho e Branco " , o carro foi instado a parar pelo Presidente da briosa agremiação carnavalesca :

— Dr. Bandeira ! Há quanto tempo ?!? Venha, o seu lugar na comissão julgadora do samba-enredo deste ano, ah! , o seu lugar, tá lá guardadinho-da-silva , à sua espera.

Bandeira adentrou o recinto e foi vivamente ovacionado pelos presentes. A velha-guarda então, nem se fala, era uma alegria só com a presença de tão ilustre quanto querido membro da Diretoria. Dito ? Ah!, Dito ancorou mãos e bafo junto a uma sestrosa mulata, apetrechada de cada pernão, ó !, rabicho antigo, de vez em quando ele jogava sua pôita naquele remanso. Lá no carro, Renato ressonava, dormia a sono solto, embalado pelos agogôs, tamborins e repiniques. Ê ! vida bôa...

Depois de muita discussão - quase acaba em baixaria - o samba-enredo foi enfim escolhido, o voto-de-Minerva coube ao Dr. Bandeira. Serenados os ânimos, definidas as atribuições de cada ala para o tríduo momesco que se avizinhava, voltaram, o piloto e o comandante, para a garbosa viatura. Passava um pouco das cinco e Renato estava um tanto impaciente:

— Bandeira, dá prá me deixar em casa ?...

— Ô ! meu irmão ! é jogo rápido, não esquenta não, daqui a um pouquinho você tá em casa ...

Dito acionou a ignição, desacostou suavemente, e na esquina seguinte dobrou à esquerda em direção ao “Ensaio Geral do Bloco da Parókia”.

— Ô Renato ! Segura aí mais um instantinho, que eu tenho que dar uma palavrinha com Binho e já volto.

Binho, Presidente Vitalício do Bloco da Parókia, ao ver Bandeira aproximar-se, exclamou:

— Cuméquié, Bandeira ?!?! Já mandei prá mais de cinqüenta recados prá voce vir aqui prá gente acertar os detalhes pro desfile deste ano, ô rapaz !

— Tô aqui, meu chefe ! Quê qui tu tá precisando, chefia ?

— A bateria tá que é uma miséria só, tem pra mais de vinte peças rasgadas, o cara do carro-alegórico tá fazendo jogo duro, isso sem falar na verba que a Prefeitura promete, promete, promete, parece cabeça de bacalhau, ninguém vê !!!

— Calma, Binho... Bóta uma com carqueja, vâmo sentar e conversar, a tarde é uma criança...

Dito ? Ah! o Dito nessas alturas do campeonato já tava no comando da 12ª cerveja e azarando mais uma mulatinha, no que, diga-se de passagem, estava sendo correspondido, êita sujeitinho competente esse Dito.

Ali por volta das oito e meia da noite, Bandeira e Binho já tinham acertado tudinho, o desfile daquele ano tava no papo, a Parókia mais uma vez seria imbatível. Dito deu mais um amasso na cabrocha sarará e, a uma ordem de Bandeira , reassumiu mais uma vez o comando do imponente veículo. Do banco traseiro, olhos súplices, voz trêmula, Renato implorou :

— Bandeira ...

Desceram a Av. Nilo Peçanha e lá junto ao Banco Real, no encontro com a Av. Assunção, depararam-se com o acidente. Dois carros colidiram e poderia haver feridos. Bandeira saltou e ofereceu seus préstimos ao policial que orientava o trânsito :

— Não carece, não, Doutor ! Os feridos, coisa leve, já foram pro P.U. , tá tudo sob controle.

Retornando ao seu carro, Bandeira encontrou Dito desolado:

— Acho que a gasolina acabou ...

Bem, isso acontece, me diz quem nunca passou por isso? , e dali no Posto Esso, ida e volta, foi coisa de mais ou menos uma hora prá Dito resolver o problema.

E aí, pontualmente às dez da noite daquele tão formoso sábado, Bandeira finalmente chegou ao portão da casa de Renato , lá no Portinho. Ainda gentil, Bandeira pediu a Dito:

— Dito, meu querido sobrinho , leva Renato até lá dentro.

Renato, já desembarcado, deu um longo suspiro, jogou as duas muletas para o alto, deu uma sonora "banana" pros dois , e disse :

— Precisa, não !!!

E então, garboso e altivo como nos velhos tempos da capoeira, embicou direto pelo corredor de acesso à sua casa.

Do lado de fora, Dito sentenciou:

— Sujeitinho mais sem paciência, eu hein !?!

Cabo Frio, 16 de setembro de 2001.

Sergio Santa Rita