A coleção

Voltar

Naquele final de tarde Boi-lambeu não estava de bom-humor. Disposto a fazer um “Samba-em-Berlim”, pediu uma dose da marvada e uma coca pequena tipo caçulinha. Careca que estava de bom-humor, lastrou uma dose cavalar da purinha e foi ao freezer buscar a mini-coca. Nesses entretantos, Andrélitro acordou de sua longa siesta vesperal e notando aquele desparrame de cachaça deu seu sincero e abalizado parecer :

— Pô, Careca !!! Uma dose dessas dá pra lavar os sovacos, as virilhas, dar uma pro santo e ainda tomar um baita porre .

Careca em vindo de retorno da freezer, remediu aquele despropósito, botou metade no barrilete da especial e olhando bem no fundo dos olhos de Boi-lambeu apresentou-lhe o restante que ainda era uma puta duma dose. Boi-lambeu engoliu em seco o prejuízo mas não passou recibo:

— Andrélitro, você fala demais !

Daí ele avistou Serjão aboletado na ponta-esquerda do bar, da banda do lado em que fica o poste torto que vitimou o caroço do João Caroço. Ainda aporrinhado com o lance da cachaça, Boi-lambeu decidiu destampar o seu baú de lamúrias e lamentações:

— Não agüento mais com mamãe !!!

— Não me diga isso rapaz !

— Pois é ! Mamãe invadiu a minha privacidade.

— Então me diz aí o que que foi que ela fez. Ela não fez foi nada, você é que só vive aprontando.

— Ah! é !? Tu tá com pena? Leva ela pra você.

— Mãe só se tem uma. Duas já é até castigo.

— Deixa de molecagem. Jobel sempre me disse : “ Serjão só véve de sacanage. “

— Tá bom ! Tá bom ! Mas me conta aí, o que que foi que a velha aprontou ?

...............................................................................................................................

Tempos depois, o Serjão , testemunha auricular do ocorrido, me confidenciou o destampado do baú de Boi-lambeu.

Um certo dia em que a sua - lá dele - língua estava desembestadamente dando saltos mortais no recinto etílico de sua - lá dele - boca, Boi-lambeu deixou descuidadamente destrancada a porta do seu quarto. Aí a sua mãe – é a dele! é a dele! – aproveitou-se da oportunidade ansiosamente esperada para finalmente realizar uma faxina em regra naquele covil.

Munida de vassoura, rodo, balde, esfregão, 03 litros de VEJA LIMPEZA PESADA, 05 litros de DESINFETANTE MATA-TUDO, 04 garrafinhas de DIABO VERDE, 01 GARRUNCHA da Guerra do Paraguai, 02 TERÇOS abençoados pelo Papa no Maracanã, 01 FIGA-DE-GUINÉ benzida por Mãe Menininha, a velha senhora adentrou aquele profano recinto. Em sua primeira investida ela passou o rodo por debaixo da cama: arrecadou dezoito vasilhames de ROMARINHO. Na segunda passada vieram mais doze.

— Misericórdia !!! Quequéisso minha gente !?!?! Me acóde Nossa Senhora dos Desencaminhados !!!

Daí ela viu uma panela-de-pressão por riba de uma cômoda:

— Olha lá a minha panela que faz tanto tempo que eu estou procurando !

Aberta a tal panela, no seu interior estavam homiziados seis ROMARINHO zero-Kilômetro.

— Deus-do-céu !!! Que coleção é essa ?!?! Vai gostar de ROMARINHO assim lá na .......

...............................................................................................................................

Daí então ela excomungou aquela esbórnia toda, jogou tudo fora e faxinou geral o quarto. Mais tarde ela tentou convencer Boi-lambeu a colecionar GUARAVITON, no que não obteve o mínimo sucesso:

— Pô ! Mãe !!! GUARAVITON não dá aquela tonturinha...

Cabo Frio, 28 de janeiro de 2013.

Sergio Santa Rita